terça-feira, 5 de junho de 2018

A verdade sobre a crise dos refugiados, conta-se em Do Bosque Para o Mundo, um espetáculo para crianças para assistir no CAE, em Sever do Vouga, dia 21 de junho.

Aos 12 anos, Farid e o irmão, ambos da tribo pachtun, ficam entre a espada e a parede: ou se juntam aos americanos contra os talibans ou vingam a morte do pai e tornam-se bombistas suicidas. Enviar os filhos do Afeganistão para a Europa foi a solução encontrada por uma mãe desesperada. A viagem de um ano e meio decorreu por terra e mar, com um quase naufrágio no mar Egeu, até chegar à “Selva” de Calais e depois até Inglaterra via canal da Mancha.
Em Do Bosque Para o Mundo, a história verídica de Farid, encontrada nas notícias por Miguel Fragata (encenação) e Inês Barahona (texto), serve para “contar a verdade” de “forma transparente” sobre a crise dos refugiados. Os criadores de A Caminhada dos Elefantes e The Wall deram início a este novo projeto, trabalhando histórias tradicionais, como A Gata Borralheira ou O Capuchinho Vermelho, para “perceber de que forma estas histórias preparam as crianças para o mundo. Conseguíamos cruzar as histórias tradicionais, com o preto e branco muito bem definidos, com os maus muito maus e uma moral muito concreta, com os temas da atualidade”, explica Miguel Fragata. Apesar da reviravolta na história, falar de um final feliz “depende da perspetiva”, diz Miguel. “Há peças do puzzle que encaixam, mas todo o princípio desta história é muito infeliz.”
As atrizes Anabela Almeida e Manuela Pedroso são as contadoras de histórias que vão narrando os vários momentos da travessia de Farid, ao mesmo tempo que explicam conceitos tão concretos como refugiado, tráfico, asilo, deportação e como pode a Europa proteger quem chega.
Do Bosque Para o Mundo
21 de junho às 10h00 e às 14h00
Público escolar
Entrada gratuita

Sem comentários:

Enviar um comentário